sábado, 26 de dezembro de 2009

LINHA EDITORIAL + CONVENIÊNCIA = MAU JORNALISMO.

É comum identificarmos nos jornais escritos, falados e televisados, uma clara preferência ou rejeição por determinados segmentos, sejam eles políticos, comerciais, sociais etc. É o que convencionaram de "linha editorial". Se uma notícia é contrária aos interesses de um "amigo", não se publica e não se divulga, mas se ela é favorável, é publicada com grande estardalhaço. Da mesma forma, se a notícia fere interesses de desafetos a ordem é dar grande publicidade, mas se, ao revés lhe é favorável, evita-se a publicação. É de se questionar se o leitor, telespectador ou ouvintes, não têm direito à informação, seja ela qual for. O curioso é que em geral, quando os veículos de comunicação são alvos de medidas judiciais, a sua principal defesa é o direito à informação e a livre expressão do pensamento, direitos garantidos na Constituição da República. é muito comum os leitores enviar ao blog, comentários informando que encaminharam determinada notícia aos jornais mas que elas não foram publicadas, como ocorreu recentemente com uma greve em clinica renomada de nossa cidade. Nesse passo, deixo uma reflexão: será que a postura de grosar as informações segundo os interesses do órgão de imprensa, não enfraquece sua credibilidade e afronta os princípios democráticos? Com a palavra os leitores.

Um comentário:

Xacal disse...

Maxsuel,

Mas essa é a própria natureza do jornalismo empresarial, meu caro...

Cada vez menos, imprensa rima com Democracia, aliás, se fizeres um exame pelos fatos mais relevantes de nossa recente História do Brasil, verás que a grande mídia sempre esteve ao lado dos interesses anti-democráticos...

a redentora de 64, talvez, seja só o mais escandaloso de uma série...

um abraço...